Make your own free website on Tripod.com

MANUEL CARVALHO

FADOS

Home | FADOS | PÁGINAS DE AMIGOS | AS MINHAS LETRAS | Contactos | FOTOS | SAUDADE

ALGUNS FADOS MEUS, QUE SE OUVEM POR AÍ...

PALAVRAS PARATI

 

 

Há palavras por nascer

No meio do labirinto

Dos poemas que te fiz

Saudades, eu sei dizer

Mas não define o que sinto

Quando me sinto infeliz

 

Em sonhos vejo palavras

Carregadas de emoção

Que gostava de cantar

Vejo-as redondas, quadradas

E em forma de coração

Mas que não sei soletrar

 

Com palavras doutras castas

Ando a tentar inventar

Algumas para te dizer

Muitas delas estão gastas

Já rompi o verbo amar

Por tanto amor te querer

MEU AMOR MEU POEMA

 

 

Quero dormir em teus braços

És colo dos meus cansaços

O poema qu’eu concebi

Aproveitando este ensejo

Vou confessar-te num beijo

Que gosto muito de ti

 

Ninguém me conte a verdade

Dizendo que a felicidade

Não passa duma expressão

Antes viver na utopia

Num mundo de poesia

Que perder essa ilusão

 

Quero que sejas meu fado

Todo a rimas bordado

Com linhas feitas de luz

Que tenha alma e me diga

Muito mais que uma cantiga

Na minha voz que o traduz

 

Quando a tristeza vier

Chamo-te minha mulher

P’ra fazeres amor comigo

Num incesto mais que louco

Vou fazendo pouco a pouco

Este poema contigo

 

 

DEPOIS MUITO DEPOIS

 

Foi da mais bela mãe qu’eu nasci

Como quem faz um fado por amor

Depois, muito depois eu aprendi

Que o mundo também é feito de dor

 

Remei contra a maré e então comi

O tal pão que o diabo amassou

Depois, muito depois quanto sofri

Por essa teimosia em que me dou

 

O tempo foi passando e eu vivi

A vida sempre em busca da verdade

Depois, muito depois eu percebi

Qu’está dentro de nós a felicidade

 

Certa noite d’Agosto eu encontrei

Uma estrela pensando ser meu norte

Depois, muito depois eu compreendi

Na vida não se vence sem ter sorte

 

MUITOS MEDOS OUTROS PASSOS

 

 

À muito que meu anseio

Era ter-te nos meus braços

Mas sempre havia p’lo meio

Muitos medos outros passos

 

Até que um dia vieste

Como quem vem p’ra se dar

E lembro até que trouxeste

Olhos tristes de chorar

 

Beijei-te como  quem tem

Um desejo acumulado

Amei-te como quem vem

Das galeras degradado

 

Nos teus olhos vi o brilho

De quem é feliz agora

Mesmo saindo do trilho

Quem é feliz já não chora

 

Anseios realizados

Somos felizes suponho

Mas por mal dos meus pecados

Tudo não passou dum sonho